quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Edital - Tordos - 2007/2008



Boas,

Já se encontra disponível no site da D.G.R.F. (têm a ligação em "Link's úteis"), o edital referente à caça às espécies migradoras de Inverno em terrenos não ordenados, para a época venatória de 2007/2008.

Nele constam os locais onde no período de 1 de Janeiro a 17 de Fevereiro da Época Venatória acima referida, é permitido caçar espécies cinegéticas migradoras em terrenos cinegéticos não ordenados.

Pois por isso meus amigos, atentem e desfrutem do que (e onde) se pode caçar.

http://www.dgrf.min-agricultura.pt/v4/dgf/area.php?areaid=DSCPAI-C

Saudações, e boas caçadas!!

2 comentários:

Antunes disse...

HISTÓRIAS DE CAÇADORES
Uma peça de caça diferente

Em matéria de “acidentes de caça” há uma “estória” de um pai e um filho que foram à caça.
Ao pai cabia a tarefa de caçar, ao passo que para o filho estava reservada a função de ajudante (carregador do farnel e da caça apanhada).
Às tantas, o rapaz já cansado de transportar o farnel decidiu pendurá-lo numa árvore, afastando-se temporariamente da mesma.
O pai (que não tinha reparado no acto do filho) viu que na árvore havia algo de diferente e, pensando que se tratava de caça, vai de apontar e disparar. Resultado: caçou o farnel.
O pior foi depois quando chegou a hora da merenda: era chumbos no pão, chumbos no presunto, etc. – foi preciso comer com muita cautela....

antunes disse...

Certo dia um “caçador” decidiu calcorrear os montes e vales à procura de qualquer espécime que pudesse enriquecer a ementa de uma das refeições da família.
Como não podia deixar de ser levou consigo o seu cão, animal encorpado e possante, certamente mais talhado para tarefas de pastorícia., tanto mais que se assustava com o barulho dos disparos.
Na primeira oportunidade (ou seja, ao primeiro tiro) o animal afastou-se do caçador subindo um pouco o monte e embrenhando-se nos arbustos e no pequeno arvoredo. “Óptimo”, pensou o caçador, “está a levantar a caça”...
Passado algum tempo e um pouco mais à frente, o caçador deu por uma mexida nos arbustos e, pensando tratar-se de uma peça de caça (um coelho ou uma lebre), apontou a arma ao arbusto e disparou. Resultado: acertou no pobre do cão, tendo-lhe enfiado uns chumbos no focinho (no maxilar inferior).